ESTUDOS DE ARTE TIPOGRÁFICA

LIVROS E UTENSILAGEM TIPOGRÁFICA NA CARREIRA DA ÍNDIA
(Séculos XV e XVI)

por Manuel Cadafaz de Matos

36 pp.
Lisboa, Edições Távola Redonda, 1990
PVP: 3,74 euros

Com a expansão dos portugueses em direcção ao oceano Índico foram transportados, desde fins do século XV e começos do século XVI, os mais diversos valores que comprovam a formação cultural dos evangelizadores. Entre esses bens contavam-se remessas de livros que, periodicamente, foram chegando à Índia e à Etiópia.

MOSES BEN NAHMAN, UM COMENTADOR DO TALMUD, COM OS OLHOS POSTOS NO ORIENTE

por Manuel Cadafaz de Matos

88 pp., in fólio
Lisboa, Edições Távola Redonda, 1989
PVP: 6 euros

Moses ben Nahman, que viveu nos séculos XII e XIII, foi um conhecido talmudista, natural de Gerona (Castela) que, entre obras de significativo interesse, escreveu os Comentários ao Pentateuco. Para além dos aspectos mais específicos da sua obra, estuda-se aqui a reconhecida divulgação de que os seus trabalhos beneficiaram entre os séculos XV e XVI.

A CULTURA E A TIPOGRAFIA DE EXPRESSÃO JUDAICO-PORTUGUESA EM AMESTERDÃO NOS SÉCULOS XVII E XVIII

por H. P. Salomon e Manuel Cadafaz de Matos

62 pp.,
Lisboa, Edições Távola Redonda, 1989
PVP: 5 euros

Neste trabalho, com abundante iconografia, os autores procedem ao levantamento das condições sócio-culturais e técnicas em que se processou o início da actividade tipográfica - por parte de impressores da Península Ibérica - em terras da Holanda.

NO SEGUNDO CENTENÁRIO DA VIAGEM FILOSÓFICA, DE ALEXANDRE RODRIGUES FERREIRA, POR TERRAS DO BRASIL. UMA NOTA SOBRE A "IMPRENSA" CHEGADA A BELÉM DO PARÁ EM 1783 (36 ANOS DEPOIS DA DE ANTÓNIO ISIDORO DA FONSECA) DE ACTIVIDADE DESCONHECIDA).

por Manuel Cadafaz de Matos

60 pp.,
Lisboa, Edições Távola Redonda, 1993
PVP: 7,50 euros

Este trabalho contem duas partes complementares. Na primeira analisa-se a importância da viagem do naturalista português, Alexandre Rodrigues Ferreira - motivada por interesses científicos - por terras do Brasil durante o período setecentista. Na segunda parte põe-se em evidência a imprensa rudimentar (e precursora de outras actividades) que este botânico levou consigo.
Publica-se aqui um estudo que teve a sua primeira edição nas publicações avulsas da Academia da Marinha.

ICONOGRAFIA / ICONOLOGIA

A TIPOGRAFIA PORTUGUESA E A ICONOGRAFIA DO LIVRO

por Manuel Cadafaz de Matos

64 pp.
Lisboa, Edições Távola Redonda, 1993
PVP: 6 euros

Procede-se, neste trabalho, ao levantamento de alguns dos aspectos mais candentes que pautaram a ilustração do livro europeu, designadamente o produzido em solo nacional, entre 1480 e 1563, ou seja durante a fase áurea da expansão marítima inter-continental. - Publica-se aqui um estudo que teve a sua primeira edição na revista "Biblos".
AS GRAVURAS FLAMENGAS DOS IRMÃOS WIERIX EM CIRCULAÇÃO NA CHINA (re)impressas por Matteo Ricci e Cheng Dayue

por Manuel Cadafaz de Matos

32 pp.
Lisboa, Edições Távola Redonda, 1997
PVP: 2,50 euros

No período de transição do século XVI para o século XVII, o Pe. Matteo Ricci, que se encontrava na região norte da China em trabalhos de evangelização, colaborou com o letrado chinês Cheng Dayue na impressão de algumas gravuras de temática cristã que integraram a obra deste O Jardim de Tinta, entre as quais duas da autoria dos gravadores flamengos, irmãos Wierix.

<anterior
seguinte >